15 maio 2009

HUMANO...

"A primeira coisa que um ser humano
deveria aprender é a diferença entre o bem e o mal,
e jamais confundir o primeiro com a inércia e passividade. "

3 comentários:

Laguardia disse...

Esta frase diz tudo. Passividade, comodismo, inércia, deixa prá lá, prá que me incomodar, nada muda, não vale a pena, são expressões que não são condizentes com o fazer o bem.

Paulo Tamburro disse...

Perfeito.

A inercia a qual você se refere, sinônimo da passividade, ou numa lingagem carioca "deixa andar", ou "deixa a vida me levar", ou "seja o que tiver que ser", é irmã siamesa do bem.

Nós fomos feitos para semear o bem, e nossas condutas se forem balizadas pelos contratos sociais e processos de relacionamento contumazes a que devemos nos enquadrar, estaremos fazendo "o bem".

O mal - como ninguém nasce desta forma - exige sim, que façamos força para distorcermos nossas reais qualidades para servir ao bem social.

Tanto é assim que muita das vezes quando um ato antisocial muito contundente é praticado por alguém, algumas pessoas admitem que, só pela culpa que sentirão por terem feito aquilo, já o absolveriam de qualquer julgamento.

Se você quise ler, existe um livro da década de 70 do Herbert Marcuse, chamado Eros e Civilização que traduz exatamente, esta frase sobre que você disse.

Segundo ele o sentimento de culpa que, pelo menos deveriam sentir os criminosos, é a pena mais drástica que lhes é auto imputada.

A privação da liberdade, até acaba um dia, mas a culpa ele carregará para sempre.

Blog do Óbvio disse...

Hoje em dia confunde-se bondade com falta de energia. Se você passa por cima de tudo, é tido como dinâmico, inovador, etc.. Se é muito humano e compreensivo, é mole, frouxo...
O que houve?
Simples. O homem está desvalorizado. Quem manda é o Deus Dinheiro. Esquecemos que o mundo foi feito para o uso do homem e não o homem ter que se adaptar às modernidades que o mundo oferece. Vamos mudar isso. A decisão está dependendo de cada um de nós. Beijos. Manoel.