16 dezembro 2009

SONETO DE NATAL...



Um homem era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno
Ao relembrar os dias de pequeno
E a vida dança, e a lépida cantiga,

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações de sua idade antiga.
Naquela mesma velha noite amiga.
Noite cristã, berço do Nazareno.

Escolheu o soneto... a folha branca
Pede-lhe a inspiração, mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
Mudaria o Natal ou mudei eu?

Machado de Assis

7 comentários:

ONG ALERTA disse...

O NATAL NINGUÉM MUDA, AS PESSOAS É QUE PODEM MUDAR, PAZ.

Kátia Ruivo disse...

Estou apaixonada pelo seu blog!
vim retribuir a visita!
beijos

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

Machado já sabia naquela época de tudo!!!

O Natal mudou,foi usurpado por um senhor simpático que nada tem a ver com ele!!

Pelo poema isto não é de hoje!!

Um verdadeiro Natal para você e todos os seus queridos!!

Um beijo carinhoso!

Sonia Regina.

Stella Tavares disse...

Escrevi um livro virtural e o dediquei a todos os seguidores e leitores do manual. Espero que aceitem este singelo presente. Aproveito o ensejo para desejar a todos um natal regado de muita paz e comunhão e um 2010 repleto de paz, saúde e que o melhor se realize. Sempre!
Bjs a todos e até 2010!
Querida Carla Fabiane, obrigada pela enriquecedora parceria. Espero que leia e livro e, se gostar, ajude-me a divulgá-lo.
Um lindo natal para você e todos os seus.
http://www.bookess.com/read/2310-o-manual-do-inseguro/

Lídia Borges disse...

Machado de Assis, uma excelente escolha.

L.B.

O Profeta disse...

Um formoso menino estava mesmo alí
Tocou de leve o lado esquerdo do meu peito
Olhou-me com um luminoso sorriso
Deixou-me sem fala, sem jeito

Deixou-me no apagar de uma vela
Olhei novamente o mar
A calmaria voltou como por encanto
Mil criaturas inundaram-me o olhar

Golfinhos felizes assobiaram
A cria de uma baleia acenou-me
Uma andorinha do mar poisou no parapeito da janela
Uma maravilhosa e antiga história sussurou-me

As estrelas brilharam no celeste
A Lua estendeu seu manto de fino lusr nesta cena
Adormeci na imensidão deste mundo
No embalo de...Uma Noite Serena...


Uma noite serena

Um bom final de ano e luminoso 2010

Um terno beijo

O Profeta disse...

Um formoso menino estava mesmo alí
Tocou de leve o lado esquerdo do meu peito
Olhou-me com um luminoso sorriso
Deixou-me sem fala, sem jeito

Deixou-me no apagar de uma vela
Olhei novamente o mar
A calmaria voltou como por encanto
Mil criaturas inundaram-me o olhar

Golfinhos felizes assobiaram
A cria de uma baleia acenou-me
Uma andorinha do mar poisou no parapeito da janela
Uma maravilhosa e antiga história sussurou-me

As estrelas brilharam no celeste
A Lua estendeu seu manto de fino lusr nesta cena
Adormeci na imensidão deste mundo
No embalo de...Uma Noite Serena...


Uma noite serena

Um bom final de ano e luminoso 2010

Um terno beijo